A educação como ferramenta de transformação de vidas

A educação como ferramenta de transformação de vidas

Max Lemos
Max Lemos

A educação abre portas e oportunidades. E nesta data, 6 de agosto, onde se comemora o Dia Nacional dos Profissionais de Educação, muito mais que parabenizar as pessoas que dedicam suas vidas ensinando, a classe política precisa trabalhar na elaboração de políticas públicas que ofereçam uma melhor estrutura para educadores e alunos.

Pelas minhas caminhadas por Nova Iguaçu encontro diversos relatos negativos sobre a ociosidade dos adolescentes, devido à falta de oportunidades. A consequência é cruel e estamos perdendo jovens para a criminalidade. E muitos acabam pagando com as suas vidas. Destaco como um dos principais motivos a escassez da qualificação profissional. Hoje, o município de Nova Iguaçu possui 141 escolas e a maioria dos prédios só funciona durante um período. As aulas acontecem no turno da manhã ou da tarde e a maioria fica fechada durante a noite.

Entendo que a competência do município é oferecer formação entre a Educação Infantil e o Ensino Fundamental. No entanto, a Educação Básica se estende até o Ensino Médio e a prefeitura não pode simplesmente abandonar os seus alunos após a conclusão do nono ano, no segundo segmento do Ensino Fundamental.

O ingresso ao Ensino Médio com Técnico Integrado precisa ser trabalhado com os alunos desde muito cedo, ainda na base. Do contrário, fica inviável para o aluno que acabou de se formar na escola pública do município, concorrer para uma das vagas oferecidas nas instituições dos governos estadual e federal, como a Faetec e o Cefet, por exemplo. O ingresso, que é realizado por concurso público, tem grande concorrência e as provas para ingresso são muito bem elaboradas. A maioria dos jovens que termina o Ensino Fundamental nas escolas municipais sequer são orientados a participarem desses processos seletivos. E nas instituições particulares o investimento é alto, sendo inacessível para muitas famílias.

Apesar do Ensino Médio e até mesmo os cursos de graduação não serem responsabilidade do município, o gestor precisa cuidar dessa questão para evitar que mais gerações sejam dizimadas. Em Queimados, através de uma parceria com o governo do estado, está sendo construída a escola técnica mais moderna da Baixada Fluminense. A gestão será híbrida entre a rede da Faetec e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRJ). Serão geradas mais de 2500 vagas em cursos livres, técnicos, profissionalizantes, idiomas, graduação e pós-graduação.

A demanda não acompanha a oferta e é preciso ampliar o ensino voltado para a qualificação profissional. Os prédios ociosos das instituições de ensino do município de Nova Iguaçu precisam funcionar em todos os turnos, com cursos de qualificação profissional, reforço escolar e aulas preparatórias para os concursos. Quando um jovem recebe um diploma de um curso de qualificação profissional, ele ganha um diferencial no seu currículo, aumenta as suas chances de empregabilidade, passa a trabalhar, ter uma renda fixa e busca melhorar cada vez mais. Esse é o poder da educação. Nova Iguaçu não oferece oportunidade, mas é papel do executivo criá-las.