Audiência pública discute serviços prestados pela LIGHT em Nova Iguaçu

Audiência pública discute serviços prestados pela LIGHT em Nova Iguaçu

Max Lemos
Max Lemos

Comissão da Alerj protocolou requerimento cobrando explicações sobre o fornecimento na Baixada e empresa tem até o início de junho para apresentar as respostas e não correr o risco de perder a concessão.

A CPI da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), que investiga as empresas de energia no estado, realizará, na próxima sexta-feira (24), audiência pública para discutir os serviços prestados pela LIGHT no município de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Entre as principais reclamações contra a empresa, estão: frequentes queda de energia, aumento abusivo nas contas, falta de qualidade no atendimento e ausência de controle e transparência nas informações. O evento acontece a partir das 10h, no auditório da Firjan.

No início deste mês, a CPI protocolou requerimento cobrando uma série de explicações à LIGHT, entre elas: os motivos que levaram o apagão do fim de abril, que deixou o município quase 48 horas sem energia. A composição do preço das tarifas, políticas de prevenção de litígio para reduzir ações judiciais e o plano de investimento também foram solicitados no documento, que tem até o início do mês que vem para ser respondido. Caso a empresa não apresente as repostas dentro do prazo, a CPI pode recomendar ao governo federal a perda da concessão do serviço.

Presidente da Comissão de Minas e Energia e Relator da CPI da energia elétrica, o deputado Max Lemos (MDB), afirma que “há um nível alto de reclamações e de ações judiciais contra a empresa. São mais de 100 mil processos no Tribunal de Justiça nos últimos dois anos, um absurdo. Atualmente, não existe controle sobre a prestação e a cobrança dos serviços. Por isso, o contrato da concessão precisa ser revisto”, defende Lemos.

A Light atende a cerca de 11 milhões de habitantes em 32 municípios do Rio de Janeiro, incluindo a capital. Lidera o ranking estadual das empresas mais processadas pelos consumidores fluminenses. Somente nos primeiros três meses de 2019, a concessionária já teve 16,9 mil ações ajuizadas, de acordo com dados disponibilizados pelo TJ/RJ. A maioria dos processos refere-se a multas aplicadas pela concessionária por supostos “gatos” (furto de energia e adulteração de medidores).

SERVIÇO

Assunto: Audiência Pública discute serviços prestados pela LIGHT

Data: 24 de maio (sexta-feira)

Horário: 10h

Local: Auditório da Firjan – Nova Iguaçu (Rua Gérson Chernichard, 1391, Nossa Senhora das Graças)

LINK PARA CONFIRMAR PRESENÇA NO FACEBOOK: https://www.facebook.com/events/323345708346580/