Casa da Gente: Governo do Estado lança licitação para mais 175 apartamentos no Alemão

Casa da Gente: Governo do Estado lança licitação para mais 175 apartamentos no Alemão

max lemos
max lemos

O Governo do Estado lançou na noite desta quinta-feira (24/03), em edição extra, a licitação para mais 175 unidades habitacionais no Complexo do Alemão. A obra, com investimento de R$ 27 milhões, vai de encontro às necessidades dos moradores, muitos afetados por fortes chuvas ou pelas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) na comunidade há mais de dez anos.

 

Para o governador Cláudio Castro, esse é o momento de construir com os moradores soluções para problemas que se arrastam há muitos anos. Sem fazer críticas a ações do passado, Castro prefere trabalhar medidas concretas para atender milhares de famílias que aguardam no aluguel social a oportunidade de refazerem seus lares em um lugar seguro e digno.

 

– Nosso governo tem focado na busca de soluções para a moradia de milhares de famílias que estão em situação de vulnerabilidade social. No caso específico do Alemão, há um passivo que vamos resolver. Para isso criamos o Casa da Gente – afirmou o governador.

 

O secretário de Infraestrutura e Obras, Max Lemos, completou que no total serão 1.300 unidades habitacionais apenas para atender a uma demanda antiga na comunidade. Ele ressaltou que os técnicos da Seinfra estão fazendo todos os esforços para que esses apartamentos cheguem o mais breve possível às mãos de seus proprietários.

 

– É um trabalho permanente da nossa equipe essa busca por terrenos que atendam às diretrizes do programa e que possam garantir a reconstrução da vida dessas famílias. Mais que uma determinação do governador Cláudio Castro, essa é uma preocupação nossa – afirmou o secretário.

 

Casa da Gente: Um novo conceito

 

Lançado pelo governador Cláudio Castro em setembro de 2021, o Casa da Gente, o maior programa habitacional das últimas décadas, tem uma metodologia construtiva diferente. As prefeituras precisam apresentar terrenos com toda a infraestrutura necessária e uma equipe multidisciplinar realiza vistorias para verificar condições urbanísticas e sociais da área apresentada.

 

O Casa da Gente visa corrigir o déficit habitacional, reduzir os gastos com aluguel social, que atualmente possui cerca de 6,5 mil famílias inscritas, além de contribuir para a geração de emprego e renda, a partir da contratação de mão de obra local para as construções. Com investimento total de R$ 6,5 bilhões, o programa inclui a construção de 50 mil unidades habitacionais nos próximos cinco anos.

 

Ao completar seis meses de criação, o programa já está atuando nos procedimentos para contratação de mais de 1,4 mil casas e apartamentos. Além das 175 unidades lançadas agora e as 320 anunciadas na cerimônia de reforma das estações do Teleférico do Alemão, estão 500 unidades em Teresópolis, na Região Serrana, demanda ainda referente às chuvas de 2011; 423 apartamentos que serão construídos em Duque de Caxias, na Favela do Lixão, e 40 na Parada Modelo, em Guapimirim, ambos na Baixada Fluminense. A expectativa é de que sejam contratadas 10 mil unidades por ano, nos próximos cinco anos, para ajudar a diminuir o passivo do Estado.

 

No caso do Complexo do Alemão, os empreendimentos terão, no máximo, 250 apartamentos por condomínio e vão contar com portaria, centro comunitário e área de convivência com churrasqueira e playground. As unidades terão, no mínimo, 45 metros quadrados, com dois quartos e revestimento em cerâmica nas áreas molhadas. O primeiro condomínio contará ainda com uma academia da Terceira Idade. A estrutura oferecida foi pensada pelo Governo do Estado a fim de promover uma melhor convivência dos moradores.

 

– Nossa opção ao criar e executar o Casa da Gente foi produzir os projetos e não depositar no mercado da construção civil a responsabilidade das soluções para habitação de interesse social. Essa fórmula foi praticada nas últimas décadas e, apesar de ter gerado certa velocidade na produção, também produziu efeitos danosos, como assentamentos de famílias em bairros não dotados de infraestrutura, como transporte público, escolas e postos de saúde – explicou o subsecretário de Habitação, Allan Borges.

 

Unidades por todo o Estado

 

Apenas na capital, estão previstas 2,8 mil unidades, entre elas, as unidades habitacionais do Complexo do Alemão e do Jacarezinho. Já na Baixada Fluminense, serão construídas duas mil moradias. Estão previstas ainda 300 unidades habitacionais em São Gonçalo, 250 em Itaboraí e 100 em Tanguá.

 

Na Região Serrana, serão implementadas 1.088 casas para atender às vítimas das chuvas de dezembro de 2011. No Médio Paraíba, estão previstas 932 unidades e no Centro-Sul outras 700. No Noroeste Fluminense serão erguidas 800 moradias e no Norte, 630. Na Costa Verde e Região dos Lagos, serão 400 unidades, 200 em cada região

Fonte: 25