Fundador da 1ª sala popular de cinema digital do Brasil será homenageado com medalha Tiradentes

Fundador da 1ª sala popular de cinema digital do Brasil será homenageado com medalha Tiradentes

Adailton Medeiros é o criador do Ponto Cine, que fica no bairro de Guadalupe, na Zona Norte. De autoria do deputado Max Lemos, condecoração é a maior honraria do Estado do RJ

Fundador da primeira sala popular de cinema digital do Brasil, o Ponto Cine, o empresário Adailton Medeiros será homenageado com a medalha Tiradentes, no próximo dia 13 de novembro, às 18h30, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ). A proposta é de autoria do deputado Max Lemos (MDB). Na ocasião, a instituição também será certificada como Patrimônio Histórico e Cultural do Estado do Rio de Janeiro.

A Medalha Tiradentes é a maior honraria do Rio de Janeiro, destinada a premiar pessoas que prestaram relevantes serviços à causa pública do estado. Com programação exclusivamente dedicada a cinematografia brasileira, o Ponto Cine é um projeto de difusão do cinema brasileiro através de ações sociais, incluindo cursos, diálogos e festivais. É a única sala de cinema da América Latina a receber um Certificado de Compensação de Carbono. Na bagagem, estão 16 prêmios. Em 2019, com os cursos de extensão IFRJ – Instituto Federal do Rio de Janeiro -, tornou-se Polo Cinematográfico, ampliando os seus pilares: produção, exibição, troca de conhecimento e, em breve, distribuição.

Considerado o maior exibidor de filmes brasileiros de todo o mundo, o Ponto Cine tirou Guadalupe, bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro, das páginas policiais para os Cadernos de Cultura de todo o país. “Essa homenagem não é só minha, mas também do subúrbio carioca e, especialmente, do Cinema Brasileiro”, destaca Adailton.

De acordo com o deputado Max Lemos o Ponto Cine foi caso de estudo de 11 Universidades e tema de várias monografias e teses acadêmicas.

“Trata-se de um projeto que modifica a vida das pessoas, na elevação da autoestima e no desenvolvimento do sentido de pertencimento. Já tem vários prêmios, faltava essa homenagem que é mais que merecida”,

defende.

Perfil do homenageado

Adailton Medeiros, de 56 anos, é apaixonado pela cultura. Desde a adolescência, ele participa de grupos de teatro, música e poesia – sem falar nos filmes que tanto gosta. Seu amor pela sétima arte, aliás, virou um negócio: o Ponto Cine, um cinema que exibe apenas filmes nacionais.

Guadalupe é um bairro da Zona Norte do município do Rio de Janeiro. Foi em Anchieta, bairro vizinho, que Medeiros passou toda sua infância e se envolveu com diferentes grupos culturais. Com apenas nove anos, montou seu primeiro projetor feito com uma caixa de papelão e um monóculo. Quando tinha 21 anos, mudou-se para Rondônia. Ficou lá por 11 anos, envolvido em diversos projetos culturais e participando do movimento estudantil da região.

Posteriormente, Medeiros voltou à Zona Norte do Rio e percebeu um deserto cultural na região em que morava. Apesar de frustrado, o carioca demorou um tempo para tentar mudar essa situação. Foi trabalhar por alguns anos na Telecomunicações Aeronáuticas (Tasa). Até que, em 1995, pediu demissão. Com o dinheiro da demissão, Medeiros comprou seu próprio projetor.

No ano seguinte, com o equipamento, abriu a Casa Artes de Anchieta, seu primeiro centro cultural. No entanto, o negócio não foi para a frente. Em seguida, Medeiros criou um cinema itinerante. O projeto, só com filmes brasileiros, foi bem-sucedido. Algumas das exibições foram no Guadalupe Shopping, e chamaram atenção do dono do local, Ruy Paim. Foi ele quem convenceu Medeiros a abrir uma sala fixa no shopping, em 2006. Nascia ali, oficialmente, o Ponto Cine.