Max Lemos anuncia que relatório da CPI da energia será encaminhado ao MP

Max Lemos anuncia que relatório da CPI da energia será encaminhado ao MP

Em um discurso empolgante, na última terça-feira (12) na Alerj, o deputado Max Lemos, relator da CPI destinada a investigar irregularidades na prestação de serviços das concessionárias de energia elétrica Enel e Light, assegurou que o relatório final das investigações será encaminhado ao Ministério Público (MP) e afirmou que irá cobrar respostas.

“Após o relato podemos entrar no mérito da qualidade da distribuição das empresas. E os números do serviço prestado são preocupantes”,

garantiu.

Segundo Max, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) coloca as duas concessionárias na “pior metade do ranking” da continuidade do serviço no ano de 2018 entre distribuidoras com mais de 400 mil clientes. A Light ocupa a 18ª posição e a Enel a 28ª entre 30 empresas avaliadas. “Isto é um absurdo com a população do Rio de Janeiro que paga para ter um serviço desta qualidade”, retrucou o deputado relator.

Ainda no discurso, Max Lemos lembrou casos ocorridos em cidades do Estado do Rio de Janeiro e citou Macaé, atendida pelo conjunto Elétrico Rocha Leão, onde a população ficou 32 horas sem energia elétrica no ano passado, Volta Redonda que ficou sem fornecimento de energia por 23 horas e outras cidades que permaneceram 36 horas sem luz como Nova Iguaçu e Queimados, na Baixada Fluminense.

“Durante este período, escolas ficaram sem energia elétrica, as rotinas de hospitais foram alteradas e até o IML do Rio de Janeiro registrou perdas que não puderam ser recuperadas”,

disse Max.

Trabalho em conjunto com a polícia

Max Lemos revelou que o Estado do Rio de Janeiro há índices altos de furto de energia. Só a cidade do Rio chega a perto do dobro da média da região sudeste, que é de 12,7%, ou seja, registra a marca de 23,95% da área de concessão da Light e 21,5% da Enel.

“Incrível, 45% dos furtos acontecem em áreas que não são de risco. Por isso recomendamos, nesta CPI, o trabalho em conjunto das concessionárias com as delegacias especializadas. Se falamos de crime, temos que envolver as polícias para que possamos combater os abusos com os Termos de Ocorrência de Irregularidades (TOI). O furto de energia prejudica ao nosso estado. Tenho certeza que as concessionárias não vão de incomodar com a presença da polícia”,

ressaltou Max Lemos.

Convencer o Governo do Estado sobre a necessidade da realização de um convênio com a Agência Reguladora de energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro (Agenersa) e a Aneel, segundo o deputado, foi uma das vitórias da CPI. “Agora a agência reguladora estadual ficará responsável pela fiscalização. Isto garantirá aos consumidores maior proximidade com a entidade que fiscalizará as concessionárias, buscando impedir ao máximo os desmandos que em alguns meses a CPI encontrou e que não foram poucos”, salientou o parlamentar. Max Lemos anunciou ainda que a Alerj não encerrará a fiscalização.

“Iremos criar uma Comissão Especial que será um observatório da distribuição de energia elétrica no estado para que possamos garantir o desdobramento desta CPI e para próximos casos que envolvam o serviço no estado”,

finalizou Max Lemos.