Max Lemos elabora Projeto de Lei com sugestão popular

Max Lemos elabora Projeto de Lei com sugestão popular

Proposta vai beneficiar músicos de barzinhos sem trabalhar por causa da pandemia do coronavírus

Conhecidos cantores de barzinhos que tiveram suas atividades suspensas por causa da pandemia do coronavírus (Covid-19) poderão receber uma renda emergencial equivalente a 50% do valor do salário mínimo vigente. A iniciativa em favor da categoria partiu do deputado estadual, Max Lemos (PSDB). Ele elaborou um Projeto de Lei (PL) que autoriza o Governo do Estado a usar a conta da dotação orçamentária do Fundo Estadual de Combate à Pobreza e às Desigualdades Sociais (FECP). O legislador se baseou em propostas apresentadas por um casal de seguidores de suas redes sociais, moradores de Nova Iguaçu. Max criou o espaço em seu site (www.maxlemos.com.br) para o público enviar sugestões de PL.

“A ideia surgiu a partir de um chamamento que fiz em minhas redes sociais, convocando as pessoas a pensar em medidas que poderíamos tomar para minimizar os impactos econômicos em virtude da situação de emergência por causa do coronavírus. Recebemos diversas solicitações e uma delas me chamou a atenção: o amparo aos músicos de baixa renda, conhecidos popularmente como cantores de barzinhos”,

justificou o deputado. Max disse ainda ser conhecedor da luta desses profissionais: “Eles atuam trazendo alegria e proporcionando lazer com seus talentos. Não poderia deixar de prestigiá-los, e muito menos, não atender uma solicitação tão pertinente”, afirmou.

Situação difícil
Wellerson Claudio Perétuo e Catiane de Lima BoquimpaniWellerson Claudio Perétuo e Catiane de Lima Boquimpani
Wellerson Claudio Perétuo e Catiane de Lima Boquimpani
A sugestão partiu dos músicos: Wellerson Claudio Perétuo e Catiane de Lima Boquimpani. Ela canta em bares da Baixada Fluminense e Zona Sul do Rio de Janeiro há 11 anos. A suspensão das atividades causou uma queda econômica no seu orçamento familiar.

“Vivo da música e sem trabalhar não tenho de onde tirar dinheiro. Estou usando uma reserva que estava guardada, mas que já está no final. Não posso ficar sem pagar as minhas contas e o plano de saúde da minha filha que só tem sete meses. Ganhei uma cesta básica de amigos e não sei se terei a mesma ajuda no próximo mês. A situação é difícil, desesperadora”,

contou.

O Projeto de Lei será colocado em votação no plenário da Assembleia Legislativa. Max acredita que terá aceitação da maioria dos deputados. “Por se tratar de um tema de extrema relevância, no meu entender, terá célere aprovação e futuramente sancionado pelo governador Witzel”, salientou o deputado.