Max Lemos faz maratona em Macaé, Rio das Ostras e Casimiro de Abreu prestando contas sobre investimentos na região

Max Lemos faz maratona em Macaé, Rio das Ostras e Casimiro de Abreu prestando contas sobre investimentos na região

MAX LEMOS
MAX LEMOS

Ex-secretário de Infraestrutura e Obras falou de obras de urbanização, pavimentação, para mobilidade, entre outras

O deputado estadual Max Lemos realizou no fim de semana uma série de compromissos em Macaé, na região Norte Fluminense, além de Barra de São João, distrito de Casimiro de Abreu, e Rio das Ostras, ambos na região Baixadas Litorâneas. Além de prestar contas de seu mandato e apresentar sua pré-candidatura a deputado federal, Max Lemos lembrou os investimentos que levou para a região quando estava secretário de estado de Infraestrutura e Obras.

“Macaé, assim como outras cidades da região Norte Fluminense e Baixadas Litorâneas, não recebia investimentos do estado há décadas. Na recente crise econômica e no início da pandemia a cidade sentiu os efeitos colaterais do isolamento político. Hoje, a união entre as forças políticas está fazendo as cidades, principalmente as do interior de nosso estado, voltarem a viver um novo momento de esperança e de transformação”, disse Lemos.

Em Barra de São João, distrito de Casimiro de Abreu, Max Lemos falou sobre a licitação para obras de urbanização. “Com a oportunidade que o governador Cláudio Castro me deu de estar à frente da Secretaria de Infraestrutura e Obras, tiramos várias obras importantes do papel, como a urbanização de Barra de São João, que deve ser licitada nos próximos dias com o custo superior a R$ 80 milhões e de uma escola que estava parada há nove anos. Retomamos as obras num investimento de R$ 19 milhões”, lembrou Max Lemos.

Diversos investimentos para Macaé

Em Macaé, Max Lemos destacou ações de seu mandato de deputado estadual, como a aprovação de medidas importantes para estimular a chegada de mais termelétricas para a cidade, zerando o ICMS do gás e também para a geração de emprego e renda, baixando o ICMS de 18% para 2%.

Já sobre sua gestão na Secretaria de Infraestrutura e Obras, Max Lemos destacou os diversos investimentos que o Governo do Estado do Rio de Janeiro levou para a região, como a assinatura do contrato para as obras de duplicação da Ponte da Barra. A nova ponte será construída no mesmo sentido da já existente para não afetar o tráfego de barcos na região. De acordo com dados da Seinfra, a base da via será com piso intertravado, recebendo cobertura asfáltica e sinalização viária. A obra tem a finalidade de resolver o problema do engarrafamento e do trânsito pesado, especialmente nos horários de pico.

Max Lemos também falou sobre a execução das obras de requalificação da avenida Rui Barbosa, e destacou os projetos de urbanização para Malvinas e Leocaldia, obras para a Ponte do Baião, além da construção de 400 unidades habitacionais e de um restaurante popular, reforma do batalhão, uma escola em Lagomar, entre outras.

“Em Macaé são quase 350 milhões em investimentos necessários para a população. Somente na ponte Ivan Mundim, uma obra tão sonhada pela população, serão cerca de R$ 40 milhões. Entre os temas tratados, falei sobre o Casa da Gente, o maior programa habitacional da história do Rio, que tive a oportunidade de idealizar, onde o município de Macaé será contemplado com 400 unidades habitacionais. Quando estava secretário de Infraestrutura e Obras tiramos do papel diversos projetos, entre eles o Restaurante do Povo. Ao todo serão 30 implementados no estado e Macaé será uma das cidades contempladas. Também fiz questão de ressaltar o trabalho técnico exemplar da Prefeitura de Macaé para a execução de tantos projetos para a cidade”, disse Lemos.

Nos encontros também foram ouvidas outras demandas da população e foram debatidas ações importantes para o desenvolvimento da região. Pescadores solicitaram a retirada do vão da Ponte Velha, fundamental para melhorar a atividade da pesca. Também entraram em pauta questões estruturantes e investimentos em infraestrutura e mobilidade urbana para fomentar a economia local e o turismo, como a duplicação dos 20 km da BR 101 , na altura de Rio Dourado. Outra questão levantada foi a escola estadual em Lagomar, que começou a ser construída em 2015 e, até hoje, não foi concluída.

“Ouvir a população é fundamental para sabermos sobre as necessidades de cada cidade. Sobre a escola em Lagomar, um dos tantos casos de obras inacabadas que temos visto por aí, deixamos tudo preparado para a retomada desta obra tão importante para o povo dessa região, que também necessita de um centro cultural. E além das demandas mencionadas, debatemos sobre a necessidade da implantação de uma patrulha mecanizada, ou seja, equipamentos pesados que possam ajudar na recuperação das estradas vicinais e no escoamento da produção e sobre a necessidade de se discutir, na esfera federal, a questão da agropecuária e do agronegócio”, completou Max Lemos.