Na periferia de Nova Iguaçu Max Lemos presta contas de seu mandato

Na periferia de Nova Iguaçu Max Lemos presta contas de seu mandato

O deputado estadual Max Lemos seguiu o último final de semana prestando contas de seu mandato junto à população. Mais uma vez o parlamentar esteve na periferia de Nova Iguaçu e, novamente, ouviu muitas reclamações de moradores insatisfeitos com o abandono e descaso do governo municipal.

“A ausência de serviço público é tão intensa que encontramos comunidades praticamente isoladas, vivendo precariamente, sem qualquer dignidade”,

disse Max.

Em companhia de lideranças da região, entre elas, Roberto do Depósito, Max Lemos esteve nos bairros Km32, Aliança, Pantanal, Dom Bosco, Paraíso e Vila Belga, onde fez um balanço sobre seu trabalho como deputado e detalhou o que vem fazendo desde quando assumiu o mandato na Assembleia Legislativa do estado do Rio de Janeiro (Alerj).

“Conversando com os moradores tive a certeza de que o descaso da prefeitura é enorme. O abandono se faz presente em todos os bairros por onde passei e entre os problemas estão a falta da coleta regular de lixo, saneamento e asfalto de diversas ruas e falta de dragagem do canal que corta a região, um absurdo”,

indignou-se.

Bairro totalmente ilhado

O bairro Vila Iguaçuana está entre os piores de Nova Iguaçu. “Como pode um bairro tão promissor, com mais de 800 empresas estabelecidas, permanecer em situação crítica? O bairro virou uma ilha, é um dos acessos mais difíceis da Baixada Fluminense. Quando chove, não entra veículo: nem ambulância e nem caminhão de lixo”, protesta o deputado.

Max esteve também no bairro Rodilândia. “Foi um encontro muito proveitoso, onde em companhia do Fábio Rodilândia, um cara do bem que vive de ajudar os que mais precisam, tive oportunidade de expor aos moradores o que venho fazendo como deputado estadual. Como uma nova surpresa, descobri que o posto de saúde do bairro está abandonado, fechado há anos, um absurdo. Isso tem que mudar”, assegura ele que ainda esteve no bairro Paquetá com as lideranças Deivinho e Chica. “Encontrei mais um lugar esquecido pelo poder público municipal”, afirmou.