Revitalização da Pedra de Guaratiba e reabertura do Hospital Iguaçu entram na pauta da CCJ

Revitalização da Pedra de Guaratiba e reabertura do Hospital Iguaçu entram na pauta da CCJ

Dois projetos de lei de autoria do deputado estadual Max Lemos (MDB) estarão na pauta da próxima reunião ordinária da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que será realizada nesta quarta-feira (2), às 13h, no Palácio Tirantes. O primeiro cria o programa de revitalização da área da Pedra de Guaratiba, que inclui a construção de um píer e obras de saneamento e pavimentação de diversas ruas da região. Já o segundo, autoriza o governo do estado a criar condições para a reabertura do Hospital de Iguaçu, fechado há sete anos, no município de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

A expectativa é de que ambos os projetos obtenham os pareceres favoráveis pela constitucionalidade e, desta forma, possam seguir tramitando normalmente pela Casa até a aprovação final em Plenário e, em seguida, encaminhado ao governador Wilson Witzel para sanção ou veto. A relatoria é dos deputados Dr. Serginho (PSL) e Márcio Pacheco (PSC), respectivamente.

Um desastre ambiental causado pelo derramamento de óleo afetou, em abril deste ano, a Região de Pedra de Guaratiba. Segundo relatos dos moradores, o produto teria contaminado o Rio Piraquê, que desemboca na baía de Sepetiba. O deputado Max Lemos esteve no local e, na ocasião, os pescadores locais também alegaram prejuízos às suas atividades e também ao turismo.

“Nosso intuito é que o governo do estado designe o órgão responsável pelo levantamento dos danos ambientais sofridos na região, identificação do poluidor e que apresente um plano de requalificação, que poderá incluir a da construção de um píer e obras de saneamento e pavimentação em diversas ruas”,

afirma.

Hospital fechado há quase uma década

Inaugurado em 31 de março de 1935, o Hospital Iguaçu não presta mais nenhum atendimento há sete anos. Em 2009, a unidade parou de atender pelo SUS e três anos depois fechou as portas. De acordo com o projeto proposto pelo deputado Max Lemos, o governo do estado ficaria autorizado a criar meios de reabrir o equipamento, um anseio antigo da população iguaçuana, entre eles desapropriar o imóvel, como fez com a maternidade de Queimados, na época em que ainda era prefeito.

“O Hospital Iguaçu é uma tradição e um equipamento de saúde extremamente necessário. Lembro-me como se fosse hoje do dia em que precisei operar o meu braço lá. Toda vez que passo em frente a unidade e vejo ela fechada, é motivo de muita tristeza. Nossa luta será para reabrir esse hospital tão importante para os moradores de Nova Iguaçu e da Baixada”,

concluiu.